BahiaNa CaraPolícia

O preço da liberdade na chegada de Cláudia Oliveira ao presídio de Teixeira de Freitas

By 16 de junho de 2021 Nenhum Comentário

Era por volta das 18:30 de ontem, terça feira 15 de Junho, quando a ex prefeita de Porto Seguro Cláudia  Oliveira, chegou ao presídio de Teixeira de Freitas. Além do presídio alguns repórteres aguardavam a chegada da ex prefeita.

Mas algo me chamou atenção para uma reflexão atual.

No ponto de ônibus localizado bem em frente ao presídio, tinha uma mulher, simples, sem posses, que por volta das 17 horas começou a reclamar do frio. Ela estava muito inquieta, foi quando aproximei para saber o que estava acontecendo. Ela me disse que era interna, ou seja, estava presa e que as 16 horas foi liberta, obteve a sua liberdade. Estava angustiada pra ver logo a família, pois já estavam há 3 anos separados.

Quando Cláudia  Oliveira chegou, o carro da polícia Federal parou no portão que fica lado a lado com o ponto de ônibus. Enquanto os fotógrafos e cinegrafistas faziam o que lhes são de ofício, aquela mulher que estava angustiada também parou e mirou o olhar no banco traseiro do veiculo, eu olhei a cena e imaginei, ” A liberdade olhando para a prisão “.

Claudia Oliveira, com diversas posses, advogados, influências e não tinha o que aquela simples mulher tinha, sem posses, com frio, sem quase esperanças, mas tinha a liberdade.

Aí chegamos a conclusão do dito popular, Liberdade não tem preço. Mais tarde um pouco, quando aguardei a família daquela mulher vir busca-lá, logo quando a família chegou, irmã e mãe, eu achava que ela iria abrir a porta do veiculo e correr daquele lugar. Mas não, e em dois longos abraços ele chorou, e só conseguiu falar uma coisa, “irmã te amo, mãe você é a pessoa que mais amo no mundo” .

Aí eu percebi que além da liberdade física, a alma estava sendo liberta naquela hora, porque ” o Amor Liberta”, foram sentimentos vividos na prática.

A Claudia Oliveira, dormiu  em uma cama de colchão popular, sem ar condicionado, sem internet, sem TV, sem pão com presunto, e sem o aconchego da família.

Excluindo o sentimento da jovem liberdade, a chegada de Claudia foi triste, eu não tenho dúvidas que a Claudia é de uma família honesta e de boas práticas e referências.  Mas hoje temos duas realidades na política, os bandidos que entram na política e as pessoas que a política os tornam bandidos. A política é como uma cobra venenosa, da mesma forma que o seu veneno cura de sua picada, com a mesma intensidade ela também mata.

Que todos saibam lidar com a política, e que sirva de exemplo a experiência da prisão de Claudia Oliveira, experiência para ela, pra família dela e para todos nós.

Viva a Liberdade, porque agora eu Sei e tenho provas, que a Liberdade não tem preço.

Por Sammy Chagas