BahiaNa Cara

Jatinho será leiloado pela Receita Federal com lance mínimo de R$ 7,5 milhões

By 13 de julho de 2021 Nenhum Comentário

O próximo leilão virtual da Alfândega da Receita Federal em Salvador vai leiloar nesta quinta-feira (15) um avião modelo Gulfstream G-IV.

A aeronave, com capacidade para até 16 pessoas, está na categoria de grandes jatos e foi fabricada em 1989. É movida por dois motores Rolls-Royce TAY 611-8, o que representa uma queima de combustível de 447 galões por hora. O lance mínimo é de R$ 7,5 milhões.

No entanto, para ficar com a aeronave é preciso mais do que dinheiro. De acordo com o edital da Receita, será exigida, no ato de liberação da Guia de Licitação para entrega, a apresentação de documentos e certificações junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que comprovem a possibilidade de uso, consumo ou comercialização da aeronave.

O jato que será leiloado pertencia a uma empresa de transporte aéreo com sede em Lauro de Freitas, na região metropolitana. A Receita não divulgou informações sobre horas de voos.

Os interessados, que podem ser pessoas físicas ou jurídicas, deverão apresentar suas propostas iniciais até as 18h dessa quarta (14), para se habilitarem à fase de lances, que será realizada na quinta (15). Todas as fases do leilão ocorrerão de forma eletrônica na página da Receita Federal, por meio da qual os licitantes poderão apresentar suas propostas e ofertar os lances no dia do leilão.

Curiosidades

Em sites especializados como o Avbuyer, um modelo semelhante pode sair por até 20 milhões de dólares, ou um pouco mais de R$ 100 milhões. Outro destaque da aeronave é sua autonomia de voo (ou seja, quantos quilômetros consegue voar sem abastecer novamente), de 6.845 km – quase a distância entre Salvador e Nova Iorque.

Outros itens

No leilão desta quinta, 15, também serão ofertados lotes para os não milionários, com videogames, equipamentos de som e bicicleta. O lance inicial mais barato é de R$ 9 mil em um lote com 3 mil unidades de Derma Roller, um aparelho utilizado em clínicas de estética. Nesse caso, é preciso ter o aval da Anvisa.