Sem categoria

Os calcanhares de Aquiles de Dr Marcelo Belitardo

By 1 de dezembro de 2020 Nenhum Comentário

Na verdade deveriam ser da prefeitura, mas tudo acaba caindo no colo do Prefeito e o gestor em questão, a partir de primeiro de Janeiro é o Dr Marcelo Belitardo.

O primeiro deles é o alagamento do shoping Teixeira Mall, que entra prefeito, sai prefeito, entra dinheiro, sai dinheiro e nunca se resolve. Podemos até dizer que aquele é o problema cartão postal de Teixeira de Freitas.

O segundo é referente a limpeza da cidade, que não basta apenas boa vontade, é preciso norral. Além do mais, tem duas coisas que parecem andar juntas mas não andam, porque são mão de obra diferentes, limpeza Urbana é uma coisa, coleta de lixo é outra.

Na limpeza urbana temos os bairros sem pavimentação que muitas vezes são tomados pelo mato.

Temos também os terrenos baldios e algumas praças que se tornaram depósitos de lixo.

O outro ponto são as vias asfaltadas que são tomadas por areia, em alguns pontos em grande excesso, como é o trecho após a UNEB.

Parte dessa solução passa pela conscientização da população, onde exige uma comunicação mais agressiva e uma equipe de manutenção atenta.

Outros lugares que se tornaram depósitos de lixo, são às margens das APPs (Áreas de Preservação Permanente), o Eixo Sul que o diga.

Outro ponto fraco são os buracos nas vias asfaltadas que já são crônicos, sempre os mesmos e não são difíceis identificar, afinal temos poucas vias asfaltadas, mas eles persistem nas principais vias da cidade. Passa-se 4 anos corrigindo os mesmos buracos. Falando em buracos no asfalto, todo mundo fala mas ninguém explica ou resolve essa situação da EMBASA cavando asfalto pra baixo e pra cima. É só passar em frente à Grendene que verão o mais recente, que infelizmente, nunca volta como antes.

Outro problema é que a cidade não possui um plano de manutenção urbana, um buraquinho vira uma cratera, uma grama seca e depois morre, citamos como exemplo a praça da bíblia, aquilo é uma vergonha, sem contar que temos um posto da guarda em plena praça. Trocando em miúdos não temos um sistema de manutenção da cidade, aquele buraquinho ali no cruzamento em frente à Arte & Vida, vai virar cratera, tombar carro pra depois resolverem, sempre foi assim.

Outro ponto fraco são os buracos espalhados ao longo das avenidas de bairros importantes da cidade, porém sem pavimentação asfáltica, o serviço de patrolamento dessas vias ninguém entende. Essa semana mesmo, a patrol esteve no Eixo Sul. Rodou o presídio e deu linha, nem na avenida passou. Antigamente tinha o chefe de turma, hoje fica entregue à boa vontade dos profissionais.

O outro problema que será um desafio para o futuro gestor, é manter a atenção básica 100% funcionando, com médico e sistema de odontologia, agentes comunitários e de endemias atuando todos os dias nas regiões e UBS.

Manutenção dos prédios públicos é difícil entender, como um posto de saúde em pleno funcionamento deixa crescer uma selva ao seu redor ou dentro do espaço da unidade, alegando que os responsáveis não são eles, e fica por isso mesmo. Sempre achei que cada unidade ou região deveria ter um gestor.

Outro ponto fraco é o Esporte, onde todos os equipamentos estão sem nenhuma atividade e precisam de manutenção e gestor para cada equipamento, quadras, campos, Estádio, Centro Municipal de esporte e lazer, e o funcionamento do CIE.

E o último é que somos a capital do trânsito sem sinalização, tanto no centro quanto nos bairros da cidade.

Aí você vai me dizer, e os outros problemas? Os outros são situações macro de soluções de curto ou médio prazo. Já esses acima citados, são do dia-a-dia e fazem parte do funcionamento da cidade. Mas nas próximas explanações vamos caminhar secretaria por secretaria.

Opa! Já estava me esquecendo, pra trocar uma lâmpada é ou era um “Deus-nos-acuda”, mas parece que tudo se resolveu com a chegada do LED.