EsporteNa Cara

Ele não é uma Máquina essa é a diferença

By 20 de fevereiro de 2020 Nenhum Comentário

Cláudio Cesário Américo, esse é o nome de registro do teixerensse que adotou como pseudônimo “Dennys a Maquina”.

A sutil diferença entre uma máquina e o jovem lutador é a sua forma de ver o mundo, no relacionamento com os amigos e com a fama.

Em todas as suas entrevistas ele enche o peito pra dizer que é filho um guarda municipal e de uma gari, profissoes dignas de respeito, fala com orgulho da profissão que colaborou com sua dignidade.

Outro fato que chama atenção é que sempre antes de exaltar a sua carreira ele lembra da sua terra natal e de um a um daqueles que o ajudaram antes da fama.

Agora é claro vão aparecer muitos tieteiros e patrocinadores, que faz parte do mercado do esporte, porque existe um diferença entre ajudar e patrocinar e isso que separa no mercado do esporte amador e  profissional .

No caso de Denis algumas situações nos deixam meios frustrados, porque conseguir apoio para alimentação, passagem, hospedagem, viagens, nunca foi tão fácil como muitos imaginam.

Ele ralou e encontrou alguns poucos empresários que sensibilizaram com a dedicação do jovem atleta os quais ele não esquece, e isso é o fantástico.

E o que enche ele de orgulho, não são as vitórias, “Ele sempre ache o peito e diz o meu orgulho é a minha família, o salário de gari da sua família pra ele é motivo de orgulho, porque ajudou construir o seu caráter.

O sonho dele não é comprar uma Ferrari, o sonho dele é ter um projeto social para ajudar crianças e jovens a não caírem no mundo das drogas e da criminalidade.

Onde ele se concentra? Ele sempre diz na minha casa, porque no palco das lutas, a maior força está na mente e isso não se treina, se adquire.

Um aviso aos navegantes e também ao poder público, chegou a hora de passar o chapéu, quem vai ajudar?

Explicando o título, no ringue ele parece que não desliga mesmo, até parece uma máquina.